Projeto Terapia Nutrológica Para Autistas

Há mais de 300 anos antes de Cristo, Hipócrates, considerado o pai da medicina já falava: “Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio”.

É fato que a maioria dos Autistas tem uma alimentação irregular e seletiva. Isso quer dizer que se alimentam mal, e consequentemente podem apresentar deficiências nutricionais importantes. A terapia nutrológica pode ser capaz de melhorar os sintomas e a qualidade de vida dos autistas, e até mesmo prevenir que ocorra esse transtorno no neurodesenvolvimento.

Não devemos confundir a terapia nutricional com a nutrológica. Existe uma diferença importante entre as duas. A nutricional se baseia em dietas e suplementação alimentar com baixas doses de vitaminas e minerais, enquanto que a terapia nutrológica abrange tanto a questão nutricional/dietética quanto uma suplementação especial com altas doses de vitaminas e minerais, além da desintoxicação de metais pesados tóxicos. Por esse motivo, a terapia nutrológica deve ser sempre realizada por um médico nutrólogo.

A má alimentação, muito comum nos dias atuais, pode levar a deficiências de diversos nutrientes (vitaminas, minerais, Ômega-3 e outros), que são fundamentais para o desenvolvimento e manutenção das nossas células e órgãos. Essas deficiências sozinhas ou quando associadas a intoxicação silenciosa de metais pesados perigosos para nossa saúde, e a predisposição genética, podem contribuir para o surgimento de dezenas de doenças que estão cada vez mais comuns no nosso dia a dia, como por exemplo: depressão, câncer, diabetes, hipertensão, infartos e derrames, além de transtornos no neurodesenvolvimento, como é o caso do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Esse transtorno, segundo pesquisas recentes, pode inclusive ser prevenido ou ter o seu risco reduzido, caso as mulheres em idade fértil utilizem alguns suplementos em doses adequadas na preconcepção e no pré-natal.

Para pessoas com TEA, é muito importante que se faça um tratamento global e especializado. O tratamento ideal deveria ser baseado na combinação de terapias educacionais (exemplo: terapia comportamental, ocupacional, de fala e de habilidades sociais) com a terapia farmacológica e a terapia nutrológica. Infelizmente a terapia nutrológica (alimentação, suplementação alimentar e desintoxicação de metais pesados tóxicos) é completamente “esquecida”, geralmente por falta de conhecimento técnico. Na minha opinião que é apoiada e baseada em evidências científicas, a terapia nutrológica corresponde a aproximadamente 50% do tratamento global, portanto, no Brasil o tratamento do TEA é realizado só com “50% da sua capacidade”. Precisamos mudar essa realidade e oferecermos um tratamento completo e especializado com “100% da sua capacidade”, para desta forma, melhorarmos os sintomas e a qualidade de vida dos autistas, além de prevenirmos complicações como a evolução do grau da doença.

 

 

Associações parceiras que receberão o Tratamento Nutrológico através dos recursos obtidos pelas doações do livro:



Mídia